sexta-feira, 28 de julho de 2017

.A SOLTURA DO JUMENTINHO.                                                                                                           
Lucas 19:28-38 Antes de chegarem a Jerusalém Jesus dá ordem a seus discípulos para irem a uma cidade chamada Betfagé, que ficava ao leste de Jerusalém, perto de Betânia, na encosta sudoeste do monte das oliveiras, cujo nome significa literalmente “casa de figos verdes”, e que não é mencionada em nenhum outro lugar das escrituras a não ser na passagem da entrada triunfal. Jesus disse que quando lá chegassem encontrariam um jumentinho amarrado, e que era necessário que o soltasse e o trouxessem, e que se alguém dissesse alguma coisa era para eles dizerem: O mestre precisa dele! Essa frase iria revelar aos donos do animal a importância de que aquele animal fosse levado.

Assim partiram os discípulos para o local e lá chegando logo avistaram o jumentinho preso e quando eles estavam desamarrando o animal os donos logo viram e vieram e perguntaram o que eles estavam fazendo, ou aonde iriam levar o animal, ou talvez com que ordem eles soltavam o jumentinho. No que tiveram como resposta: O mestre; Jesus; o Senhor, (palavras que indicavam a pessoa direta de Jesus) precisa, necessita do animal. A bíblia não registra nada sobre os donos desse animal, mas se o fizesse eles estariam entre os muitos dos citados em Hebreus 11, pois ao ouvirem que o Mestre precisava do animal, logo creram. Imaginem que fé maravilhosa eles demonstraram ao cederem seu animal “zero bala” para o Mestre, veja por que.

Bem sabemos que cultura é algo extremamente complexo, e os judeus ainda são um povo que guarda suas culturas, aquele animal ao ser chamado de jumentinho denota que era um animal de pouca idade e uma coisa interessante é que naqueles dias considerava-se que um animal que jamais fora usado no trabalho ou montado por alguém era especialmente adequado para propósitos santos como o Eterno já havia dito (veja Nm-19:2; Dt-21:3).

“Não há nada que você entregue a Deus e não volte super valorizado para você, e aquilo que Deus nos dá super valorizado não tem preço.”. Imagine o quanto aquele animal passou a valer depois que Jesus montou nele!

Assim soltaram o jumentinho e o levaram até Jesus que logo montou no animal e entrou em Jerusalém em um dia que marcou a história da humanidade para sempre.   

A palavra hebraica para amarrado é “akedá”, e Jesus mesmo estando longe viu o jumentinho amarrado, mostrando a sua onisciência, o viu seguro por um nó, uma corda que limitava seus movimentos e então Ele manda que seus discípulos soltem o animal. Eu não sei quanto tempo aquele animal esteve preso, limitado, vendo seus pares soltos e livres, mas um dia chegou para ele à soltura, a liberdade.

Jumento no contexto bíblico também é símbolo de obediência, e nosso Senhor não suporta ver um filho obediente amarrado. Eu vim lhe dizer que ainda há uma saída para todos nós. Jesus ainda tem toda a autoridade para soltar as amarras que nos prende. Ele tem poder para livrar qualquer cativo, e soltar e desfazer qualquer nó em nossas vidas agora mesmo.
    
“Quando Jesus desceu do jumentinho com certeza mandou que alguém o levasse de volta a seu dono e o animal foi todo alegre, feliz”,Então ele foi super valorizado porque O Rei Jesus avia montado nele !..Mas ele só teve valor porque Jesus estava nele,Antes estava só e amarrado.

Na verdade nós não somos nada, mas aquele que está em nós é tudo. Ele é quem merece toda honra e toda glória. É por isso que podemos chegar longe, mas não saia de sob a presença de Jesus, Ele é quem faz de nós uma pessoa notada, mas se Ele sair de sua vida, você não é nada.
Bispo Anderson Camargo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O PÃO TORRADO. (JZ 7:13) - Chegando, pois, Gideão, eis que estava contando um homem ao seu companheiro um sonho, e dizia: Eis que tive um ...