terça-feira, 11 de julho de 2017

Enterre seus “mortos” e siga Jesus!
O primeiro servo disse: Jesus seguir-te-ei para onde quer que fores. Mas Jesus lhe respondeu: As raposas têm seus covis, e as aves do céu, ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça. Ao segundo servo disse Jesus: Segue-me! Ele, porém, respondeu: Permite-me ir primeiro sepultar meu pai. Mas Jesus insistiu: Deixa aos mortos o sepultar os seus próprios mortos. Tu, porém, vai e prega o reino de Deus. O terceiro servo disse a Jesus: Seguir-te-ei, Senhor; mas deixa-me primeiro despedir-me dos de casa. Mas Jesus lhe replicou: Ninguém que, tendo posto a mão no arado, olha para trás é apto para o reino de Deus. Lucas 9:57-62.
O texto acima a princípio parece muito severo, porque Jesus é enfático quando afirma que aquele que deseja segui-lo deve deixar tudo para trás, casa, conforto, bens, famílias e mortos. Mas para entender melhor esse texto, é necessário considerar os contextos dos ensinamentos de Jesus. É claro que Deus quer que cada um cumpra com suas responsabilidades sociais e familiares, mas dentro do contexto devemos ter em mente que Jesus quer trazer para fora, do nosso interior, tudo o que nos IMPEDE, momentaneamente, de segui-lo. Jesus nunca ocultou o que se requer daqueles que Ele chama para segui-lo, e os maiores obstáculos não se encontram no caminho a percorrer, mas nos corações e almas; para nos ajudar a descobri-los, o Senhor traz o entendimento sobre quais são os verdadeiros “mortos” que impedem o povo de Deus de segui-lo. No texto acima encontramos três perfis de servos, mas somente um recebeu o chamado para seguir Jesus, mas este tinha algo para resolver antes de segui-lo, ele precisava enterrar o seu morto.
O termo “enterrar seus mortos” vai além do ato de sepultar cadáveres, é algo que está ligado diretamente ao mundo espiritual e ao sacrifício de Jesus Cristo na cruz. Jesus morreu, justamente, para matar tudo aquilo que nos faz mal! Jesus morreu para MATAR, DESTRUIR, EXTINGUIR e VENCER as maldições, as enfermidades, as mágoas, as amarguras, as angustias, os sofrimentos, a rejeição, as dores da alma, o pecado e a própria morte. Tudo o que nos impede de alcançar a salvação foi morto na cruz juntamente com Cristo, mas somente Jesus Cristo ressuscitou. Aleluia! Cristo consumou o Seu sacrifício morrendo para nos libertar, e agora precisamos consolidar o Seu sacrifício, “enterrando os mortos que Jesus matou na cruz”, e que insistem em permanecer vivos, como fantasmas, assombrando nossas as vidas e nos impedindo de seguir os passos de Jesus.
Perder alguém que amamos é algo doloroso demais, principalmente para aqueles que acreditam que a morte é o fim, mas para o Cristão deve ter um peso diferente; porque em 1º Tessalonicenses 4:13 e 14, diz que: não devemos ser ignorantes acerca dos que já morreram, para que não nos entristecemos como os demais, que não têm esperança. Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem, Deus os tornará a trazer com ele. Existem pessoas cristãs que choram por “seu morto” há anos e não conseguem superar a dor; relutam em sepultar a dor e a revolta que os consomem dia e noite. Muitos preferem tornar-se escravos da INCONFORMIDADE e SOFRIMENTO, do que aceitar a morte e abandonar o LUTO. Aceitar a morte não é um processo fácil, mas é possível; basta crer que Deus é poderoso para ajudá-lo a enfrentar esse momento com mais serenidade e FÉ.
Para vencer a revolta e a dor é necessário abrir o coração e deixar Deus trabalhar; após a cura a saudade se tornará num sentimento de boas lembranças e o Espirito Santo devolverá a alegria de viver. O cristão precisa aceitar que Deus é Senhor absoluto dos vivos e dos mortos.
Existem outros tipos de “MORTOS” que escravizam os servos de Deus, a amargura, a mágoa, o pecado não confessado e a falta de perdão. Esses sentimentos aprisionam a alma e geram morte espiritual e física; existem estudos que comprovam que amarguras e falta de perdão desenvolvem doenças psicossomáticas e até mesmo o câncer. O próprio salmista Davi escreveu que: Quando calei o meu pecado envelheceram os meus ossos. Geralmente a mente é levada cativa por forças do mal, geralmente quando somos feridos por alguém ou passamos por frustrações, e se não conseguimos superá-las, somos atropelados por danos psicológicos, as chamadas doenças da alma e ficamos aprisionados.
Existem pessoas que alimentam os “seus mortos” todos os dias, como se fossem uma planta que precisa ser regada para não morrer. Pessoas que usam os “seus mortos” como uma motivação para as suas vinganças pessoais, principalmente na área conjugal. Muitas esposas guardam mágoas de seus maridos por não ter conseguido liberar perdão e permitem que a amargura se torne sua conselheira. Maridos feridos deixam de tratar suas esposas com honra e carinho e fazem da indiferença uma muralha invisível entre o casal. Filhos que não falam com seus pais por causa de ressentimentos não superados e pais que não se importam mais com seus filhos rebeldes.
Apesar de todo esse caos emocional, causado pelas dores da alma, a situação ainda pode piorar. Existe outro tipo de “morto” que escraviza a alma e fere o corpo, as enfermidades! Os servos de Deus têm sido hospedeiros desse “morto” que já foi vencido por Jesus na cruz. Muitas pessoas clamam a Deus pedindo a cura, e não recebem porque não tem o entendimento de que Jesus já venceu as enfermidades, não podemos pedir algo que já nos pertence!
Amados, viver carregando os “mortos que Jesus matou na cruz” é ignorância! As mágoas, amarguras, falta de perdão e enfermidades são defuntos em estado de putrefação que precisam ser “enterrados”! Os filhos de Deus precisam entender que todos esses “mortos” já foram mortificados com Cristo na cruz e a insistência em carrega-los é uma atitude que invalida o sacrifício de Jesus Cristo. Como servos de Jesus temos que entender essa verdade e partir para ação!
O primeiro passo é crer, o segundo é identificar os mortos que precisam ser enterrados, o terceiro passo é partir para o ataque! “Enterrar os mortos” e uma atitude de fé; basta fazer uso da autoridade que Jesus nos deu, e ordenar ao diabo que, pegue os seus restos mortais e caia fora da mente, do corpo e da vida! Somente assim os servos de Deus ficarão sarados e livres para seguir Jesus.
Para que se cumprisse o que fora dito pelo profeta Isaías, que diz: Ele tomou sobre si as nossas dores e nossas enfermidades, e levou as nossas doenças. Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito. Mateus 8:17 / Romanos 8:1.
Bispo Anderson Camargo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário