terça-feira, 8 de agosto de 2017

A parábola da cana e do carvalho
Um conceito judaico dos ensinos de Jesus aparece nas parábolas, exemplo de quando ele se dirige para uma multidão e pergunta a respeito de João, o batizador:
“Enquanto saíam os discípulos de João, Jesus começou a falar à multidão a respeito de João: "O que vocês foram ver no deserto? Um caniço agitado pelo vento?” (Mat. 11: 7)
Existia uma parábola bem conhecida no judaismo do primeiro seculo conhecida como “o carvalho e a cana”. Sem um entendimento dessa parábola ‘e dificil que interpretemos o imaginário que fica atrás da passagem citada.
De acordo com a parábola, um carvalho gigante e uma cana estavam juntas planatadas na margem do rio. No momento de uma tempestade, as raízes do carvalho se mantinham firmes, permitindo a resistência diante dos ventos.
Porem, ele poderia cair diante de um vento de maior capacidade.
Não havia nada comprometedor em relação ao carvalho. A cana por outro lado se dobraria de um lado para outro, mesmo diante de uma leve brisa.
A conclusão da historia era que o carvalho, diante de sua recusa de comprometimento poderia perder a vida na tempestade, mas a cana iria sobreviver diante ao fato de se dobrar pelas circunstancias.
Com certeza Jesus pontuava essa historia ao perguntar sobre João, em outras palavras seria o equivalente a dizer:
“Imaginam que João, um profeta de Deus, fosse alguém sem coragem de reação?”
Os judeus que ouviram estas palavras entenderam e não mais perguntaram alguma coisa.
“Não lhes dizia nada sem usar alguma parábola. Quando, porém, estava a sós com os seus discípulos, explicava-lhes tudo.” (Marc. 4:34)
O ensino por parábolas era bem conhecido no meio judaico do primeiro seculo era conhecido como “aggadah” e literalmente milhares de historias foram preservadas. Os judeus dos dias de Jesus criam que as referencias legais eram por decisão, porem aggadah era por inspiracão.
Podemos entender que Jesus era o Caniço o Maleavél e João o Carvalho Duro.
Veja o exemplo;O Carvalho e os Caniços.
Um grande carvalho, ao ser arrancado do chão pela força de forte ventania, rio abaixo é arrastado pela correnteza.
Desse modo, Levado pelas águas, ele cruza com alguns Juncos, e em tom de lamento exclama:
"Gostaria de ser como vocês, que de tão esguios e frágeis, não são de modo algum afetados por estes fortes ventos."
E Eles responderam:
"Você lutou e competiu com o vento, por isso mesmo foi destruído. Nós ao contrário, nos curvamos, mesmo diante do mais leve sopro da brisa, e por esta razão permanecemos inteiros e a salvo."
Moral da História:
Para vencer os mais fortes, não devemos usar a força, mas antes disso, inteligência e humildade.
De nada serve possuir grande força e pouca inteligência...
Ou seja a momentos na Vida que devemos ser duros e a outros momentos sermos mais Maleáveis, Pense bem se você não precisa realmente mais resistente ou se precisa ser mais maleável com vc mesmo,com as pessoas etc; Domingo agora estaremos falando a Cerca desse assunto creio que será uma grande benção para todos amém!!
Bispo Anderson Camargo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário